domingo, 5 de setembro de 2010

Close to the Edge, down by the river...

Estava pensando esses dias sobre limitações. Sobre como diversas vezes de nosso dia, somos forçados a enfrentar nossas próprias limitações para conseguir viver através do dia. E eu acho que esse é um tema interessante a ser debatido por nós, ainda mais nos dias atuais. E é isso que proponho com esse post, despretensioso, meio perdido, mas que espero que chegue até o ponto aonde quero chegar.




Os limites são coisas difíceis de serem discutidos. Muitas vezes físicos, outras psicológicos, mas sempre nos impedem de chegar a algo. Seja uma sensação, seja a um objetivo firmado anteriormente, ou apenas em alguém.


Eu tenho determinados limites na minha cabeça que são, de certa forma, intransponíveis para mim, por causa da minha criação e da minha vivência. Mas esses "limites", muitas vezes me impedem que eu alcance felicidade plena em algumas situações. Um exemplo clássico é encarar asa delta, ou bungee jump, pois tenho um medo absurdo de alturas. Dentre a busca por emoções radicais, o meu limite imposto é algo que envolva altura absurda. Até em montanha-russa eu já fico MUITO incomodado, frio na barriga que se espalha pelo corpo todo, terminando num suor "gelado". E esse limite se espelha inclusive nos meus sonhos. Nunca tenho coragem pra realizar o "free fall", pra voar por aí, fico sempre na beirada do precipício.


Isso falando apenas de mim, claro. Cada pessoa tem seu limite, cada pessoa tem uma linha imaginária que o orienta até aonde pode seguir. Algumas pessoas se limitam a ter novos conhecimentos apenas por causa de sua criação, se impedindo de abrir a mente para algo novo, diferente, que viria a mudar seus conceitos e percepções da realidade.


Tenho alguns amigos e amigas que têm sérios problemas com meus "estudos". Pra quem não sabe, eu sempre fui uma pessoa curiosa pelo misticismo, nunca fui acostumado com uma visão religiosa demais, tive meus problemas com minha religião quando ainda era muito novo, e optei por estudar novos horizontes, novas formas de ver o mundo. O problema com isso? Até hoje pessoas "demonizam" o que estudo, fazem pouco caso, dizem que não existe, e afins.


Porém, esse é o lado bom de deixar os limites de lado: aprender novas facetas da nossa realidade. Deixar de lado as barreiras culturais e se abrir a tudo de bom e interessante que existe fora de nossas redomas sociais. Sejam novos costumes, sejam novos conhecimentos, ou até mesmo novas rodas de amizade: pra esse sentido ultrapassar seus limites é muito bom.


Porém, dia após dia temos exemplos de como os limites são esquecidos, ignorados, mutilados e decepados. E, junto com eles, morre um pouco da pureza da pessoa. O sexo está cada vez mais banalizado, virou apenas uma diversão qualquer, e cada vez mais cedo as crianças estão deixando de brincar de bonecas e futebol para irem brincar com o corpo do sexo oposto (ou do mesmo também). Não que eu considere errado, mas tudo que é banalizado demais, se torna meio estranho. Pelo menos na minha adolescência, o sexo não era visto simplesmente como uma moeda de troca, ou algo banal. Existia um pouco de sacrifício para ser conseguido, o que tornava tudo mais divertido.


Já hoje, o que temos? Dois menores de idade, entediados, ligam a webcam e, para aumentar as visualizações do vídeo, começam um jogo sexual. A menina, provavelmente virgem, reclamava de dores, mas ainda assim continuava com aquilo. E pra quê? Apenas pra alguns dias de fama virtual? E o que isso virou? Virou foi um escândalo de proporções internacionais, tornando o TwitCam (o serviço de vídeos disponibilizado pelo Twitter) um centro de putaria pra muita gente. Hoje, mais e mais pessoas fazem "streaming" ao vivo de tudo. Alguns contratam prostitutas e, numa sede de se tornarem reconhecidos, jogam a privacidade pro espaço e disponibilizam a putaria toda online.


Todo mundo sabe o quanto eu sou permissivo quanto ao sexo. Mas o MEU limite pessoal é fazê-lo dentro de quatro paredes, seja em duas ou mais pessoas, mas que ainda exista alguma cumplicidade entre os parceiros e algum sigilo. A quebra do limite, nessa situação, foi algo que não me agradou nada, e eu fujo desse tipo de situações. Não me agrada nada. Na realidade, chega a ser conteúdo ofensivo. E o que ajuda a banalizar mais ainda o sexo, tornando algo que deveria ser gostoso para ambos apenas para se tornar mais um caça-níqueis de atenção virtual. 


E esse não foi o pior, pra mim. Outro vídeo surgiu na internet, aonde um grupo de meninas, menores de idade também, que estavam também no TwitCam, que estavam se mostrando para atingir mais seguidores em seus perfis. O que ninguém esperava era que a mãe de uma dessas meninas estivesse vendo tudo. E isso acabou caindo no Youtube. Imagina para a família dessa menina, você criar sua filha para ela ficar se exibindo na internet só pra ficar famosinha? Eu fico meio preocupado, sabe? Colocar filhos no mundo é uma preocupação enorme hoje em dia, afinal muitas vezes a internet e a televisão destrói tudo que você tenta passar de valores para a criançada hoje em dia, e você ainda pode se surpreender com seu filho fazendo sexo na webcam pra atrair seguidores, ou sua filha ficar mostrando as peitcholas sub-desenvolvidas pra um bando de marmanjo punheteiro apenas pra ficar conhecida.


Após todo esse "buzz", ainda teve outro caso, esse de origem internacional, que me chocou absurdos. Nem irei disponibilizar o vídeo aqui, pois eu não tive culhões de vê-lo inteiro. Trata-se de um dos vídeos mais ofensivos que surgiram nesse ano na internet: uma garota tinha um balde cheio de cachorros filhotinhos (dizem que são seis, mas depois de ver os dois primeiros, fechei o vídeo) e, ao ser ordenada por sua avó a dar um fim neles (isso é o que está circulando de informação por aí, não fui a fundo por não SUPORTAR esse assunto) por estarem doentes, resolve jogá-los no rio. Tudo bem, digamos que casos desses não são incomuns, digamos que esse tipo de crueldade realmente existe, e não podemos controlar. Mas daí a filmar tudo, dando risada, aparentemente feliz, e ainda publicar essa PORRA na internet? Ah cara, isso é demais pra mim.


Certos limites TÊM de existir. Você não pode se tornar um ser sem coração, a ponto de matar filhotes só pra ter views na internet. Só pra CHOCAR. Só pra aparecer. Isso é DEMAIS pra mim. Esse tipo de quebra de limites não tem como ser tolerado, ou respeitado. É algo que NÃO DEVE acontecer e ponto final. Qual vai ser o próximo passo? Afogar um bebê no rio, filmando tudo? Estuprar sua vizinha e disponibilizar o conteúdo pra todo o mundo assistir e comentar sobre seu novo "achievement"? Gravar rituais de suicídios em massa, para encorajar mais pessoas a fazê-lo?


O ser humano tem uma faceta sombria, que o leva a destruir tudo e todos a sua volta. O ÚNICO limite que deve ser respeitado, na minha concepção, é o limite de se entregar pra esse lado agressor. Ter interesse por mudanças, mas não mudar o mundo todo pra um lugar pior, aonde muita gente tem medo de colocar seus filhos da porta pra fora.


Encerro esse post com um sincero sentimento de tristeza, pois muita gente não sabe respeitar limites. Seja respeitar o seu limite de estudos e curiosidades, ou quebrar limites de sanidade. Abraços e desculpem pelo post confuso.

11 comentários:

Anônimo disse...

É bom limites... é uma coisa de intrinseca, de uma certa foma nos faz sermos humanos, agora quem não encherga isso o que será??? XD

Lyttah disse...

Limites é sempre bom te-los,pricinpalmente quando se machuca fisicamente ou emocionalemente um terceiro seja de forma animal,vegetal um ser vivo em si.
Limites em exibicionismo é essencial sexo feito para um publico ou até mesmo mostrar partes intimas a um publico é de extremo mal gosto.aonde fica o desejo o respeito?
Não só da pessoa q mostra,mas a sociedade é pervesa e castradora. Tudo tem consequencias. e ter limites e evitar as consequecias.

Guru Clef disse...

Post muito lúcido e EXTREMAMENTE gostoso de se ler. Você escreve bem Kadu.

Camila disse...

Concordo plenamente com o texto.
Com a sociedade tornando-se cada vez mais exibicionista e "competitiva", é normal que se encontrem muitas pessoas lutando para aparecer mais do que outras, buscando a sua fama.
E o texto não ficou confuso, deu para entender a ideia central do tema. (:

Mateus disse...

Limite é algo extremamente humano. Limite é imposto pelo próximo e criado principalmente por si próprio. O que grande parte das pessoas não entende é que não estamos aqui pra procurar felicidade. Vivemos pra entender o equilíbrio e compreender que todas as situações e fases de nossa vida passarão. Um dia agradável, ele passará. Uma tarde melancólica, também passará. Uma noite sombria, ela também vai embora. Entendendo isso, que é o básico, largamos a ideia de que viemos ao mundo pela felicidade, e vemos o limite não mais como algo sufocante, mas como uma variável da situação atual. Enfim, qual sentido teria sua felicidade se não houvesse a tristeza pra reforçá-la? Pior, como você saberia definir felicidade plena se o seu lado sombrio não se aflorasse nunca?

Agora, pra fechar o comentário ligando os pontos com o post: as pessoas se limitam ao hedonismo egoísta, cospem na natureza social que têm e brincam de ser mais que o outro. Com isso, levam os limites a lugares completamente distorcidos, afinal, não têm nenhum entendimento ou objetivo sobre e na vida. Pessoas pequenas que deturpam o limite pois o entendem como algo sem sentido e transformam sua própria liberdade em libertinagem. Pensam que podem (e de fato podem) e fazem. Só esquecem das consequências que isso gera. O extremo efeito dominó que motiva os outros que não entendem limites a os quebrarem, mesmo sem os entenderem.

Liberdade é ter o poder e não precisar nem querer utilizá-lo, pois está no equilíbrio.

Ficou mais confuso que o próprio post, mas espero que alguns entendam.

Mulher de 40 disse...

Realmente, a coisa está ficando fora dos limites. Eu trabalho com adolescentes e sinto neles uma falta de amor em casa tremenda. Aí acabam fazendo de tudo para chamar a atenção que não conseguiram em casa no devido tempo.
Me mandaram um email também onde rapazes estilo classe média matavam um monte de gatinhos e os ostentavam mortos como troféus... é a volta ao homem de Neanderthal?
Quero essa gente no fogo... cadeia é pouco! Isso não pode mais existir!
Beijos e parabéns pelo post!

Moon Goddess disse...

eu vou ultrapassar o meu limite: Vou viajar e gastar milhoes só pra encontrar essa FDP dos cachorrinhos e vou tortura-la em uma twitcam, que tal?Fazer um streaming igual no kick ass, vc me ajuda? Eu nao consegui ver o video, tenho problema sério com isso, tanto q tenho 4 cachorros que fui coletando da rua ao longo da minha vida! Belo texto, gosto muito dos seus posts!

Quanto a questão do sexo banal e pre adolescente se exibindo na cam, so digo uma coisa: esse é mais um dos motivos que eu nao "boto" filho no mundo!!

beijos

Malvadão disse...

Fala aê bicho... como eu havia dito... escrevi sobre o tópico lá no meu site...
Querendo ver... aqui -> http://malvadao.tumblr.com/post/1077181075/das-limitacoes

Como sempre... com base em minhas experiências pessoais e regada com um pouco de sarcasmo.

Os limites tem sim que existir, mas muitos tem que ser derrubados!!!

Depois eu escrevo realmente sobre limites impostos para a "lei da boa sobrevivencia"

Valeu!

Notas de Rodapé disse...

Kadu, concordo com tudo que vc diz.

Também tenho meus limites com altura e montanha-russa jamais! Quanto aos seus estudos, acho que isso é um questão de respeito, cada um faz o que quer, desde que não prejudique os outros.

Dito isso, poderíamos pensar que menores de idade poderiam fazer o que quissessem diante de uma cam, mas daí voltamos aos limites. Estes que os pais de hoje não sabem impor.

Assim como vc tb sou permissiva quanto ao sexo, mas tb tenho meus limites. Nao quero ver certas coisas na internet e não vejo. Sinto muita pena dessa nova geração oca, sem limites, sem cultura, sem educação e só não posso dizer que eles não têm nada, pq enfim eles têm o sexo. Pena que não sabem aproveitá-lo, pois afinal sexo é mais que pura luxúria ou banalidade.

Excelente post meu amigo! Parabéns!

Geek Girl disse...

Concordo com seu ponto de vista. Existem limites e limites. Alguns devem ser quebrados. Outros estão aí para a proteção da sociedade.

Luana P.C. Farias disse...

Ótimo post de reflexão. A tendência é a humanidade evolkuir cada vez mais, assim como seues pensamentos Kadu. Por isso estamos aqui! Nessa escola chamada Terra.

Parabéns pelo seu blog! Espero sua visita no meu!

Rcockisses!