segunda-feira, 30 de agosto de 2010

...com seus moinhos de vento...

Essa madrugada foi bem interessante pra mim... Estava terrivelmente entediado (e aparentemente 500 pessoas estavam assim também) até que o Felipe Neto, o vlogger que aponta o dedo na cara de muita gente pra falar o que pensa, resolveu abrir uma twitcam diferenciada, apenas pra ouvir música e conversar com as pessoas que estavam "perdidas na madrugada".

Menos explosivo, mas tão ácido quanto em seus vídeos, ele ergueu uma bandeira que eu sou obrigado a apoiar de olhos fechados, pois concordo totalmente no que ele falou: precisamos de cultura de verdade pra que o cenário atual mude. Bandas que não fazem nada além de usar de plagio para se promover, ou dizer que amam seus fãs pra receber indicações, ou bandas que usam de pseudo-polêmicas para tentar fazer seu nome, tudo isso deve morrer no esquecimento.

E eu, após passado o choque inicial de ver que ele também pensa como eu, comecei a analisar como anda a situação atual... Muita gente se "devota" a essas bandas, dizem ser parte da "família" x ou y, e esculhamba todo e qualquer crítico, dizendo que "isso é tudo inveja", "você fala isso mas nunca teria o 'talento' deles", "você tem menos seguidores do que banda x, sua opinião é irrelevante pois você não é tão famoso e bonito quanto eles".

Cara, isso tudo é um monte de baboseira sem sentido, caralho! Vocês não conseguem perceber a merda que estão fazendo, agindo como adolescentes que não suportam críticas e surtam com a verdade? Que PORRA de sociedade é essa que precisamos sonhar ser parte da "família" de uma banda, se todo mundo tem pai e mãe em casa? Que merda de idolatria retardada é essa, molecada?

Eu nem vou entrar no mérito do talento inexistente dessas bandas pra não ficar puto eu também. Um desses "músicos new generation", que prefiro nem citar o nome (ou a banda na qual ele toca) fez um comentário babaca, tirando sarro de quem criticava músicos "famosos", dizendo que o cara no mínimo era um músico frustrado e infeliz por não fazer sucesso, que só músico famoso poderia criticar outro famoso. Enfim, eu achei uma puta babaquice e dei meus dois centavos de opinião. Adivinha: "A carapuça serviu, brother? Tu é frustrado também?". Será que chegamos ao ponto que não podemos mais ter sequer opinião, e discordar de alguém, que precisamos ter Phd em algo pra podermos criticar? Ah, vá pro caralho.

Tudo isso junto mostra o cenário no qual estamos hoje: pessoas sem talento, sem humildade, que não aceitam críticas, que são apadrinhados pela mídia e pelas gravadoras, essas são as pessoas famosas. Essas são as pessoas que têm destaque hoje. E é exatamente isso que tem que mudar. O Felipe Neto disse que deveríamos fechar os olhos e sentir a música, viver (mesmo que por alguns instantes) a mensagem que a música te passa. E o que essas músicas de hoje nos passam? E o que essas bandinhas que precisam de AutoTune para que o CD fique gravado mais ou menos para ser vendido passam? E o que esses pseudo-revolucionários, gritando em suas músicas que a realidade tá uma merda, mas nada fazem para mudar, passam?

Eu fico frustrado quando olho para o passado do Rock Nacional, que nos deu presentes como Aborto Elétrico, Capital Inicial, Cazuza, Legião Urbana, Renato Russo, Ira, Paralamas do Sucesso, Titãs, Raul Seixas, Cássia Eller, Biquini Cavadão, e que hoje é um monte de lixo feito pela mídia, para a mídia, e que abraça aberrações coloridas como se fossem membros dessa elite? Eu sinto vergonha pelos meus heróis, que morreram de overdose, e hoje vejo que meus inimigos estão no poder. Eles definem o que acham ser música e empurram para nós. Geração Coca-Cola é pouco, tá mais pra Geração Come-Bosta.

Apóio o movimento que ele criou, o #OsPoetasNaoMorreram, pois sei que tem muita gente boa ainda hoje, que toca em barzinhos, com seus violões afinados e sua voz melodiosa, que não ganham espaço na mídia e tem de dividir seu amor pela música e pelo palco com um trabalho de merda que não o satisfaz pessoalmente. Sei pois eu tenho isso dentro de mim também, sou um dos "músicos frustrados" que não tiveram espaço com o talento que tinha e tive que abandonar meu sonho. Mas sei que isso vai mudar alguma hora, não é possível que só eu e mais algumas pessoas pensem assim.

Um dia a roda vai virar. E deixo pra vocês um singelo presente:



Ouçam com carinho, fechem seus olhos e sintam o que o Frejat tá passando pra vocês. Mudem o mundo, PORRA!

6 comentários:

Moon Goddess disse...

Belissimo post kadu!!! Concordo com cada palavra que você escreveu!! Fico pensando se Raul estivesse vivo, Cazuza...Acho que já teriam morrido de desgosto!

Nando disse...

Magnus meu querido, concordo muito com essa teoria, eu até me divirto com algumas musicas das bandas emos, mais as bandas "coloridas" não tocam na sessão das mais pedidas daqui não. Nunca ouvi restar ou cine na rádio. Eu acho que eles tem um certo talento sim, não alcançaram a pseudo fama deles atoa o problema maior pra mim é a juventude sem cérebro, que se devotam totalmente para o artista! Po, as(o) fãs nem ligam se o cara toca ou se ele faz musica boa, contanto que eles estejam presentes e talz. Outra coisa é aquele Vida de Garoto, tipo, os caras são bonitos... e é isso, ficam pops e arrastam uma legião de garotas pq são bonitos, ganharam fãs pq são bonitos, tipo... lol? É a prova mais concreta que os adolescentes não tem o que idolatrar! :T

Bjs me liga :]

@biatrixxx disse...

Descordo completamente de você.

Tudo que foi e é mainstream sempre foi e sempre risível e propenso ao ridículo. Não sei você, mas eu não me enquandro em nenhum target de cultura pop, principalmente no aspecto musical. E para isso existe outro mundo, outro mercado. Eu coleciono vinis, bem como outras pessoas também e quem acompanha esse mercado sabe que existe ainda espaço para nossas bandas, aquelas que são boas de verdade. Quem é amante da música, paga mais caro por um material especial, por algo diferente de sua banda. Ou por acaso você imagina o Restart lançando um vinil? Ou o Cine lançando um cd triplo?

Então eu não compartilho dessa melancolia com o mercado da música, ele sempre foi cruel, mesmo nos idos de 60, 70, 80 e até nos 90. Aquela época o rock de Elvis Presley poderia soar ridículo perto de um amante música clássica (que era absolutamente mais comum que nos dias de hoje). Entre outros estilos mais "refinados".

Contudo, compartilho com você o desespero pelo fanatismo exacerbado, mas isso também não é novidade. Só talvez mais ridículo com o passar dos anos.

Júnior disse...

Concordo em partes com sua opinião. Concordo com a baixa qualidade dessas bandinhas coloridas atuais, pouca critividade, falta qualidade técnica em praticamente todas porém discordo com o lance do tal fanatismo pois isso, é algo totalment comum em todas as gerações veja Beatles, não era a mesma coisa? Você cansa de ver vídeos de fãs desesperadas, chorando, se batendo pra conseguir ver um show da banda. Tá, Beatles é como se fosse um DEUS da musica mas enfim, guardadas as devidas proporções "abismicas" o tal fanatismo estava lá, se vc vir pro lado do POP é a mesma coisa, Michael Jackson, Backstreet Boys e piriri e pororó. Nesse ponto eu não acho nada errado, é reflexo de uma fase do adolescente que precisa de ídolos pra se espelhar só que ai vem outra discussão, os ídolos de hoje são dignos dos jovens se espelharem neles? Ai sim dá um bom pano pra manga pois hoje esses "ídolos" de hoje não passam mensagem alguma, no máximo retratam os sentimentos mas não passam uma mensagem seja ela negativa ou positiva e é isso que sinto falta nessa safra de "ídolos".

Um pouco de atitude faria bem pra essa galera e essas bandinhas não passam essa idéia e ai vemos adolescentes cada vez mais apenas sonhadores e menos realistas com espirito de revolução, atitude e afins... sei lá posso estar errado e na verdade estar ficando velho...rs

Bom acho que falei demais porém daria uma bela discussão!

Excelente post!

Notas de Rodapé disse...

Ótimo texto Kadu!Concordo com tudo que vc escreveu, principalmente tratando-se do rock brasileiro que parece que morreu junto com os Raimundos....

Kobayashi disse...

Muito foda cara. Hoje em dia a galera acha melhor se alienar e viver nessa porra de "modinha" e não vêem que a cada dia o espirito do Rock N' roll,de ter opinião propria e falar o que quiser e dizer foda-se pra o mundo que não divide o mesmo ponto de vista que o meu...

Hoje em dia são poucos que fazem isso e eu sinto vergonha de ter nascido nessa geração. De não ter ido para um show do raul ou do cazuza ou do legiao urbana..

Vamos mudar essa porra aew,já ta mais que na hora.

Abraço cara, to seguindo teu blog!